Big Meu Lindo.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Aprender ou não aprender? - Learn or not learn?

Learn or not learn?
According to Skinner learning phenomenon can be explained by three approaches metaphorical: a metaphor for the "development", the "acquisition" and the "construction".
In the first approach, called metaphor of "development" or "growth", the learner is compared to a fertile ground, that is, has a biological potential to learn, where a good gardener, the instructor or teacher, you can cultivate knowledge .

In the metaphor of "acquisition" the learner is an empty cup, which will be filled with the knowledge that comes from the environment.
In the metaphor of "building" the apprentice has a genetic basis (organic) that evolves as structures and schemes, mental and / or cognitive, will gradually become more elaborate and complex as a result of their interactions with the natural environment and social. In this case, the process does not depend solely on the teacher. The apprentice, to interact with their world, can perform individually this construction.
Remarkable, then, two main issues. An epistemological question, because it requires a mental world as ground for buildings, and also an ontological question, does it explains how the evolution of cognitive or mental structures can promote changes in the biophysical system, and vice versa.
Are critical directed mainly to the genetic epistemology of Jean Piaget's knowledge about the way and the method used to account for the production of knowledge, without invalidating, of course, the experimental data obtained by Piaget and his team.
Such criticisms are directed to the nature of explanation to the phenomena studied when postulates the existence of internal structures, universal stages of development and other building blocks.
In summary the main Constructivism problems, according to Skinner's theory are: the research method, mentalists assumptions, dualism "mind and body" and the structuralist thought.
Explain why a being learns, claiming it is the fact that this knowledge makes sense, is a mentalist and internalist explanation because pontificates on the internal world, the analysis of learning processes.
The decisive question was: "Why this knowledge make sense?" If this question is asked ad infinitum, at some point the analysis migrate, indicating the sources as localized in the environment.
In Behaviorist approach, any attempt to explain metaphorically or structurally a phenomenon can not explain it sufficiently, it does not consider the objective and relational variables of the subject with its environment, whether internal or external to the individual, and will require the creation non-material or psychic plans to explain the learning development process. Because of this, this development presents an aggregate biological element to quantitative and qualitative increase in the behavioral repertoire of an individual, and that derived from this interaction with their environment and with himself.
Behaviors can be generated and modified through three processes so-called:
modeling, through the selective reinforcement of intermediate responses, there is the inclusion of a new response in the repertoire of the body until it reaches the desired final answer.
modeling for contingencies, characterized by then imitation of reinforcement, that imitated behavior.
control by rules and self-rules, as the name implies, occurs under the control of language where the rules may be, formulas, instructions, advice, orders, maxims, etc. "A person can receive instructions or rules made by others as well as she can, watching their own behavior and the world around them, formulate rules for itself and through them to direct their behavior."
All event capable of increasing the likelihood of issuing a response is called reinforcement contingency, which may be given in three ways, which can provide learning: the state of the occurrence of the behavior, the behavior itself itself, and the consequences of behavior.
Such contingencies have an effect on the individual that depends fundamentally on its potential, the genetic background, and also the history of their behavior.
Thus teaching is the act of facilitating learning, or arranging the contingencies in order to facilitate the acquisition of an adequate response; and that the scheme in which these contingencies arise is the main indicator of the frequency learned behavior being repeated.
The best process to promote learning is to strengthen the success in the ability to operate in the middle. Learning modifies the behavior of being, making it more suitable to the environment. This success encourages new learning, receiving, thus indirectly strengthening the environment itself.
On that basis, Skinner sees the use of teaching machines, ie devices that have steps that promote learning, in gradual steps, in the form of role models, crowned by specific questions where reinforcement is immediately issued the machine every correct answer. The machine should be able to make the contingent reinforcement to behavior and enable the modeling and the gradual presentation of content, assisting the teacher in simple and repetitive tasks:
"There are more important work to be done, in which the teacher's relationship with the student can not be duplicated by a mechanical device (...) then the teacher can begin to work, not in place of a cheap machine, but through intellectual contacts , cultural and emotional that special all kinds that testify to its nature of being human. "
To ensure the effectiveness of teaching machines were pointed out some guiding criteria for their design, for example:
Grade complex contents in a well-planned sequence of logical steps in growing, so that the success of a particular step serves to support the next step.
Each step should be relatively small and that does not require a great effort to achieve success.
The questions, who pontificate every step should not be summarized purely about multiple choices, as these issues only charge the recognition of a correct answer.
The criticisms of teaching machines, and also programmed instruction, were based on the possibility of mass of this feature, making the students alike, as a result of reduction of individuality, creativity and freedom that is the ability to think for themselves .
Skinner replies: Thinking is a behavior, and how all behavior can be modeled and reinforced. An apprentice who is knowledgeable about the triggering factors of particular conduct is able to select which types of control which accepts and rejects, and that's what builds a Behaviorist concept of freedom.
Still, the innovative behavior can be taught, modeled and reinforced mainly, based on the capability of new situations by applying knowledge previously acquired by modeling and reinforcement, as reference to his life story, that is, in which situations and how often, such a response was reinforced earlier.
Solving problems is a way of thinking. To fix a problem the learner behavior triggers a sequence that has its origin in the ability to identify the type of problem and, from there, to maximize the probability of finding the solution.
Teaching a student to study is to teach you self-government techniques that increase the likelihood that what was seen or heard is remembered.
The application of operant conditioning concept in the classroom is fundamentally a structure of reinforcement contingencies that allow the learner, a learning faster, easier and with a negligible number of aversive consequences.
What motivates one to be studying are your goals, purposes or personal sense of learning object, ie, the operant conditioning forms, considering that there are several ribs, which appear at the end of the study career, such as having employment, social promotion, etc.
However, due to the large time gap of such goals, you can not use them as reinforcement in an education situation. The best enhancement is that contingent behavior.
Some reinforcing stimuli are created by the institutional environment, such as grading scales of assessments, receive medals, honors, etc. that just make artificially reinforce the behavior of study (or defraud reviews) which is completely different from the behavior of learning.
It is also common to find aversive consequences in the study of behavior, such as requiring the constant attention for long hours and the demand for considerable personal effort, which in addition to exhausting can be cloying. For such aversive effects of the act of studying not act with hindering, becomes urgent a suitable arrangement of reinforcing stimuli.
On the basis of a teaching methodology, is the definition of the behaviors desired terminals, which should crown the process of teaching and reinforcing stimuli which are the most appropriate to achieve such determinants answers. The choice of the most suitable reinforcement is closely related to the knowledge of the life history of the subject and their genetics, with the clear idea that to reinforce certain behavior he must occur.
For there to be a technology of effective teaching is important to understand both the learner's behavior and the behavior of the components of the education system in which it is inserted.
The maintenance of the system often determines the policy adopted.
To understand a particular education system, it is necessary to know the rules and contingencies that influence as to change the way of acting and thinking of those responsible for its maintenance.
The education system used by certain social segment has a value that is closely related to the ability to promote their adaptation and ensure their survival and also the evolution of their culture, acting to maximize the opportunities that culture has not only of dealing with their problems, but to increase their ability to do so.
Social groups that have developed a universal education policy had their increased survival probability and became more "strong".
A culture will be stronger the greater the number of its members who are able to educate.

Article Mustafa Ali Kanso
[Read the other articles of Mustafa Ali Kanso published weekly here in Hypescience. Also comment on FACEBOOK - Mustafa Ibn Ali Kanso]
Aprender ou não aprender?
De acordo com Skinner o fenômeno da aprendizagem pode ser explicado por três abordagens metafóricas características: a metáfora do “desenvolvimento”, a da “aquisição” e a da “construção”.
Na primeira abordagem, denominada metáfora do “desenvolvimento” ou do “crescimento”, o aprendiz é comparado a um terreno fértil, ou seja, possui um potencial biológico para aprender, onde um bom jardineiro, o instrutor ou o professor, poderá cultivar o conhecimento.

Na metáfora da “aquisição” o aprendiz é uma taça vazia, que será preenchida com o saber que se origina do ambiente.
Na metáfora da “construção” o aprendiz possui uma base genética(orgânica) que evolui à medida que estruturas e esquemas, mentais e/ou cognitivos, vão paulatinamente tornando-se mais elaboradas e complexas, como resultado de suas interações com o ambiente natural e social. Nesse caso, o processo não depende exclusivamente do educador. O aprendiz, ao interagir com seu universo, pode realizar, individualmente, essa construção.
Destacam-se, aí, duas questões principais. Uma questão epistemológica, por necessitar de um mundo mental como terreno para as construções, e também, uma questão ontológica, pois não explica como a evolução das estruturas cognitivas ou mentais é capaz de promover modificações no sistema biofísico, e vice e versa.
São críticas direcionadas, principalmente, à Epistemologia Genética do Conhecimento de Jean Piaget quanto ao modo e ao método utilizado para explicar a produção do conhecimento, sem invalidar, evidentemente, os dados experimentais obtidos por Piaget e sua equipe.
Tais críticas estão dirigidas à natureza da explicação dada aos fenômenos estudados quando postula a existência de estruturas internas, estágios universais de desenvolvimento e outros elementos construtores.
Em síntese os principais problemas do Construtivismo, segundo a Teoria de Skinner, são: o método de pesquisa, os pressupostos mentalistas, o dualismo “mente e corpo” e o pensamento estruturalista.
Explicar por que um ser aprende, afirmando que é pelo fato de que esse conhecimento faz sentido, é uma explicação mentalista e internalista, pois pontifica, no mundo interno, a análise dos processos de aprendizagem.
A questão determinante seria: “Por que esse conhecimento faz sentido?” Se essa pergunta for feita ad infinitum, em algum momento a análise migrará, apontando as fontes como localizadas no ambiente.
Na abordagem Behaviorista, qualquer tentativa de se explicar metaforicamente ou estruturalmente um fenômeno não é capaz de explicá-lo suficientemente, pois não considera as variáveis objetivas e relacionais do sujeito com o seu ambiente, sejam elas internas ou externas ao indivíduo, e exigirá a criação de planos não-materiais ou psíquicos para se explicar o processo de desenvolvimento da aprendizagem. Por conta disso, esse desenvolvimento apresenta um elemento biológico agregado ao incremento quantitativo e qualitativo do repertório comportamental do um indivíduo, sendo aquele, derivado da interação deste com o seu ambiente e consigo mesmo.
Os comportamentos podem ser originados e modificados através de três processos assim denominados:
modelagem, através do reforço seletivo de respostas intermediárias, observa-se a inclusão de uma resposta nova no repertório do organismo, até que se alcance a resposta final desejada.
modelação por contingências, caracterizada pela imitação seguida de reforço, desse comportamento imitado.
controle por regras e auto-regras, como o próprio nome diz, se dá sob o controle da linguagem onde as regras podem ser, fórmulas, instruções, conselhos, ordens, máximas, etc. “Uma pessoa pode receber instruções ou regras formuladas por outros, assim como ela pode, observando seu próprio comportamento e o mundo a seu redor, formular regras para si mesma e através delas dirigir seu comportamento”.
Todo o evento capaz de aumentar a probabilidade da emissão de uma resposta é denominado de contingência de reforço, podendo se dar de três formas, que podem propiciar a aprendizagem: a situação da ocorrência do comportamento, o próprio comportamento em si, e as consequências desse comportamento.
Tais contingências possuem um efeito no indivíduo que depende, fundamentalmente, de seus potenciais, na base genética, e também do histórico de seu comportamento.
Dessa forma, ensinar é o ato de facilitar a aprendizagem, ou seja, arranjar as contingências de reforço de forma a facilitar a aquisição de uma resposta adequada; sendo que o esquema em que essas contingências surgem é o principal indicador da frequência na repetição do comportamento aprendido.
O melhor processo para favorecer a aprendizagem é o de reforço pelo sucesso na capacidade de operar no meio. O aprendizado modifica o comportamento do ser, tornando-o mais apto ao ambiente. Esse sucesso estimula um novo aprendizado, recebendo, assim, indiretamente, um reforço do próprio ambiente.
Com base nesse pressuposto, Skinner concebe o uso de máquinas de ensinar, ou seja, aparelhos que dispõe os passos que promovem a aprendizagem, em etapas graduais, na forma de modelos a serem seguidos, coroados por questionamentos específicos, onde o reforço é imediatamente emitido pela máquina a cada resposta correta. A máquina deve ser capaz de tornar o reforço contingente ao comportamento e possibilitar a modelagem e a apresentação gradual do conteúdo, auxiliando o professor nas tarefas simples e repetitivas:
“Há trabalho mais importante a ser feito, no qual as relações da professora com o aluno não podem ser duplicadas por um aparelho mecânico (…) então a professora pode começar a funcionar, não no lugar de uma máquina barata, mas através dos contatos intelectuais, culturais e emocionais daquele tipo todo especial que testemunham a sua natureza de ser humano”.
Para garantir a eficácia das máquinas de ensinar foram apontados alguns critérios norteadores de sua concepção, por exemplo:
Graduar conteúdos complexos numa sequência bem planejada de passos lógicos num crescendo, de tal forma, que o sucesso de um determinado passo sirva de apoio ao passo seguinte.
Cada passo deve ser relativamente pequeno e que não exija um grande esforço para o alcance do sucesso.
Os questionamentos, que pontificam cada passo, não devem ser resumidos em meras questões de múltiplas escolhas, pois tais questões cobram apenas o reconhecimento de uma resposta correta.
As críticas dirigidas às máquinas de ensinar, e também à instrução programada, fundamentavam-se na possibilidade da massificação desse recurso, tornando os estudantes parecidos, como consequência da redução da individualidade, da criatividade e da liberdade ou seja da capacidade de pensar por si mesmos.
Skinner contrapõe: Pensar é um comportamento, e como todo comportamento pode ser modelado e reforçado. Um aprendiz que tem conhecimento sobre os fatores desencadeadores de um determinado comportamento é capaz de selecionar quais tipos de controle aceita e quais rejeita, e é nisso que se baseia um conceito Behaviorista de liberdade.
Ainda, o comportamento inovador pode ser ensinado, modelado e principalmente reforçado, tendo como base a capacidade de resolução de situações novas pela aplicação de conhecimento anteriormente adquirido por modelagem e reforço, tendo como referencial a sua história de vida, ou seja, em quais situações, e com qual frequência, tal resposta foi reforçada anteriormente.
Resolver problemas é uma forma de pensar. Para resolver determinado problema o aprendiz desencadeia uma sequência de comportamentos que tem sua origem na capacidade de identificar o tipo de problema e, a partir daí, maximizar a probabilidade de encontrar a solução.
Ensinar um aluno a estudar é ensinar-lhe técnicas de autogoverno, que aumentem a probabilidade de que o que foi visto ou ouvido seja lembrado.
A aplicação do conceito de condicionamento operante na sala de aula é fundamentalmente uma estruturação das contingências de reforço que possibilitem ao aprendiz, um aprendizado mais rápido, mais fácil e com um número desprezível de consequências aversivas.
O que motiva um ser a estudar são as suas metas, propósitos ou o sentido pessoal do objeto do aprendizado, ou seja, formas do condicionamento operante, tendo em vista que existem vários reforços, que surgem no fim da carreira de estudo, tais como ter um emprego, promoção social, etc.
Porém, devido à grande distância temporal de tais metas, não se pode utilizá-los como reforço em uma situação de instrução. O melhor reforço é aquele contingente ao comportamento.
Alguns estímulos de reforço são criados pelo meio institucional, tais como escalas de gradação das avaliações, receber medalhas, honrarias, etc. que apenas fazem reforçar artificialmente o comportamento de estudar (ou de fraudar as avaliações) o que é completamente diferente do comportamento de aprender.
É comum, também, encontrar consequências aversivas, no comportamento de estudo, tais como a exigência da atenção constante por longas horas e a demanda de um esforço pessoal considerável, que além de cansativo pode ser enfastiante. Para que tais efeitos aversivos do ato de estudar não atuem com dificultadores, toma-se urgente um arranjo adequado dos estímulos de reforço.
Na base de uma metodologia de ensino, está a definição dos comportamentos terminais almejados, que devem coroar o processo de ensino e quais estímulos de reforço serão os mais adequados para se alcançar tais determinantes respostas. A escolha dos reforços mais adequados está intimamente relacionada com o conhecimento da história de vida do sujeito e sua genética, tendo a clareza de que para reforçar determinado comportamento é preciso que ele ocorra.
Para que exista uma tecnologia do ensino efetiva é importante que se compreenda tanto o comportamento do aprendiz quanto o comportamento dos componentes do sistema de ensino no qual ele encontra-se inserido.
A manutenção do sistema quase sempre determina a política adotada.
Para compreender um determinado sistema de ensino, é necessário conhecer as contingências e regras que o influenciam, a ponto de modificar a forma de agir e de pensar dos responsáveis por sua manutenção.
O sistema de ensino utilizado por determinado segmento social possui um valor que está intimamente relacionado à capacidade de promover sua adaptação e garantir a sua sobrevivência e também a evolução de sua cultura, agindo no sentido de maximizar as oportunidades que a cultura tem, não só de lidar com os seus problemas, mas de aumentar sua capacidade de fazê-lo.
Os grupos sociais que desenvolveram uma política de educação universal tiveram sua probabilidade de sobrevivência aumentada e se tornaram mais “fortes”.
Uma cultura será tanto mais forte quanto maior for o número de seus membros que for capaz de educar.

Artigo de Mustafá Ali Kanso
[Leia os outros artigos  de Mustafá Ali Kanso  publicado semanalmente aqui no Hypescience. Comente também no FACEBOOK – Mustafá Ibn Ali Kanso ]

Nenhum comentário:

Postar um comentário